Instituição

  • História
  • Missão, Visão e Valores
  • Organograma
  • Órgãos Sociais
  • Documentos Institucionais

José dos Santos Ferreira Moura, o Abade Moura, nasceu no dia 29 de Abril

de 1839, no lugar de Ervedosa - freguesia de S. Pedro da Cova, concelho de Gondomar.

Ficou órfão de pai aos 7 anos, tendo sido a sua subsistência garantida por um tio paterno.

Estudou no Colégio da Formiga e em 1862, com 23 anos, é ordenado Sacerdote.

Foi, entretanto, nomeado Capelão das Dominicanas de Corpus Christi, em Vila Nova de Gaia e paralelamente dedicou-se à atividade política, sendo apoiante do Partido Regenerador. Em 1872 é eleito Procurador da Junta Geral do Distrito do Porto pelos Concelhos de Gondomar e Valongo.

Dois anos mais tarde, foi nomeado Pároco da Igreja de S. João Baptista da Foz do Douro, onde desenvolveu um sacerdócio notável, revelando a sua brilhante humanidade.

Lutou por dignificar o culto divino na velha aldeia de pescadores da Foz do Douro, criou a Corporação dos Meninos da Devoção a Nossa Senhora da Graça, realizou anualmente a Procissão Eucarística aos Enfermos da sua paróquia e em 1886 organizou pela primeira vez, a Procissão do Sagrado Coração de Jesus.

Toda a sua curta existência foi dedicada ao auxílio dos mais carenciados. Em 1877, foi um dos fundadores da Associação de Socorros Mútuos e também da Banda Marcial da Foz, em 1883.

A sua atividade política deu origem a vários desentendimentos com os seus paroquianos e individualidades da época, mas nunca abdicou dos seus princípios.

Ainda assim e apesar das diferenças de pontos de vista, tinha em cada paroquiano um amigo e admirador.

O Padre Moura, carinhosamente conhecido pelo "Abade da Foz”, faleceu a 6 de Junho de 1887. Um jornal da época apresentou-o assim: “Era um espírito são, uma consciência reta, um homem probo, laborioso, humanitário e completamente digno”.

No mesmo jornal, o cidadão Abade Moura, foi assim descrito: ““Como Homem, soube criar em torno de si amizades sinceras e profundíssimas e tornar-se o protetor desvelado de todos os infelizes”.

Esse mesmo jornal da época, que noticiou a morte do Abade Moura, apresenta-o como um pároco que soube conquistar as honras de modelo: “dificilmente o seu lugar será preenchido por quem tanto compreenda o bem, o dever e o sacerdócio. Ao homem, tributo aqui uma saudade amiga; ao pároco, um testemunho de veneração”.

 

COMO NASCE A AAPM

A Associação de Amigos do Padre Moura – AAPM, nasceu do sonho da sua fundadora e sócia nº1, Mimosa Odete Tavares Pica, em perpetuar a memória do Abade Moura, um homem que, decorridos mais de 100 anos da sua morte, ainda vive no coração do povo da Foz e no de muitos milhares de pessoas por todo o País.

Constituiu-se como uma instituição particular de solidariedade social sem fins lucrativos e de âmbito nacional em 1995, tendo realizado as suas primeiras eleições para os Órgãos Sociais, em Janeiro de 1996.

Está, atualmente, sediada em Baguim do Monte - Gondomar e a sua finalidade primordial define-se da seguinte forma:

"A AAPM tem por objetivos promover, defender e enaltecer por quaisquer meios legalmente permitidos, os valores básicos da dignidade humana e social, através da prática da solidariedade social, no seio dos mais desfavorecidos e socialmente não integrados e em particular, promover, defender e enaltecer o desenvolvimento integral do cidadão diminuído intelectual. A sua ação terá âmbito nacional."

 

                                                                                         Finalidade estatutária

 

MISSÃO:
Contribuir para o desenvolvimento social, educacional e profissional da comunidade, bem como, promover serviços e estratégias para a promoção da saúde física e mental, com uma ação de nível nacional.

 

VISÃO:
Ser uma referência de excelência e profissionalismo na resposta às necessidades dos mais desfavorecidos, dos socialmente desintegrados e/ou diminuídos intelectuais da comunidade.

 

VALORES:
- Solidariedade

- Responsabilidade

- Integridade                  

- Igualdade

- Compromisso              

- Respeito                      

- Ética               

- Humanidade                

- Excelência

Assembleia Geral

Presidente: Francisco de Nápoles Ferraz de Almeida e Sousa

Vice-presidente: Maria Alexandra Pimentel Camacho

Secretária: Maria Adélia Pimenta Ribeiro da Cunha Santos

 

Conselho Fiscal

Presidente: Maria Paula Fernandes Baía

Vice-presidente: Mimosa Odete Tavares Pica

Secretário: Jorge José Pica

 

Direção

Presidente: Manuel Armando Biltes Garcia Lopes

Vice-presidente: Maria João Ferreira e Valadares Souto

Tesoureira: Maria Manuela Bastos da Silva Vieira

Secretário: Manuel Jorge Nunes de Sousa

Diretor: Mateus Paulo Monteiro da Cunha Santos

Diretor: Augusto Miguel Silva Almeida

Diretor: José Carlos Simões Coutinho

Suplente: Ana Rosário Vieira Cardoso

Suplente: Arnaldo José Vieira Cardoso

Suplente: Débora Alexandra Meireles Luz da Silva

Este website usa cookies para melhorar a experiência do utilizador. Ao continuar a utilizar o website, assumimos que concorda com o uso de cookies. Aceito Ler Mais